Robert De Niro, Al Pacino e Joe Pesci estrelam O Irlandês, de Martin Scorsese

Robert De Niro, Al Pacino e Joe Pesci estrelam O Irlandês, saga épica do diretor Martin Scorsese sobre o crime organizado nos Estados Unidos pós-guerra. A produção é contada sob a perspectiva do veterano da Segunda Guerra Mundial Frank Sheeran, um assassino profissional que trabalhou ao lado de algumas das personalidades mais marcantes do século 20. O filme narra um dos grandes mistérios não resolvidos da história americana – o desaparecimento do lendário líder sindical Jimmy Hoffa – e se transforma em uma jornada monumental pelos corredores do crime organizado: seus mecanismos, rivalidades e associações políticas.

Ler mais

CCXP 2019 | Lana Parrilla e Iain Glen são confirmados no evento

O maior festival de cultura pop do planeta acontece entre 5 e 8 de dezembro, no São Paulo Expo, e os atores estarão disponíveis para sessões de Fotos & Autógrafos e em outras atividades que serão anunciadas em breve.

A participação de Lana Parrilla na CCXP19 é muito aguardada por seus fãs, que chegaram a realizar um abaixo-assinado na internet pedindo sua vinda para o festival. A a atriz poderá ser vista na sexta-feira (6) e no sábado (7).

Já o ator Iain Glen, famoso por seu papel em Game of Thrones, está confirmado como o novo Batman na série Titans, da DC Universe (por aqui, na Netflix). O astro estará presente na quinta-feira (5/12) e na sexta-feira (6/12).

CCXP19  – Datas: de 5 a 8 de dezembro de 2019  

Local: São Paulo Expo (Rodovia dos Imigrantes, km 1,5, Água Funda, São Paulo – SP)

 www.ccxp.com.br

Ler mais

Sairam! Os Indicados ao VMA 2019! Confira

Saiu nessa terça 23/07, os indicados ao VMA 2019. A festa rola dia 26/08 em Nova Jersey nos Estados Unidos e o host da festa será o comediante Sebastian Maniscalco.

Confira os indicados;

Vídeo do Ano
“A Lot” – 21 Savage ft. J Cole
“thank u, next” – Ariana Grande
“bad guy” – Billie Eilish
“Sucker” – Jonas Brothers
“Old Town Road” – Lil Nas X feat. Billy Ray Cyrus
“You Need to Calm Down” – Taylor Swift

Artista do Ano
Ariana Grande
Billie Eilish
Cardi B
Halsey
Jonas Brothers
Shawn Mendes

Música do Ano
“thank u, next” – Ariana Grande
“In My Feelings” – Drake
“Sucker” – Jonas Brothers
“Shallow” – Lady Gaga & Bradley Cooper
“Old Town Road” – Lil Nas X feat. Billy Ray Cyrus
“You Need to Calm Down” – Taylor Swift

Artista Revelação
Ava Max
Billie Eilish
H.E.R.
Lil Nas X
Lizzo
Rosalía

Melhor Colaboração
“Boy With Luv” – BTS & Halsey
“I Don’t Care” – Ed Sheeran & Justin Bieber
“Shallow” – Lady Gaga & Bradley Cooper
“Old Town Road” – Lil Nas X & Billy Ray Cyrus
“Señorita” – Shawn Mendes & Camila Cabello
“ME!” – Taylor Swift & Brendon Urie

Artista push
Bazzi
Billie Eilish
CNCO
H.E.R.
Lauv
Lizzo

Melhor Pop
“Easier” – 5 Seconds of Summer
“thank u, next” – Ariana Grande
“bad guy” – Billie Eilish
“Please Me” – Cardi B & Bruno Mars
“Sucker” – Jonas Brothers
“You Need to Calm Down” – Taylor Swift

Melhor R&B
“Raise a Man” – Alicia Keys
“Make it Better” – Anderson.Paak feat. Smokey Robinson
“Feels Like Summer” – Chilkdish Gambino
“Trip” – Ella Mai
“Cold’ve Been” – H.E.R. feat. Bryson Tiller
“Waves” – Normani feat. 6LACK

Melhor hip-hop
“Rule The World” – 2 Chainz feat. Ariana Grande
“A Lot” – 21 Savage feat. J Cole
“Money” – Cardi B
“Higher” – DJ Khaled feat. Nipsey Hussle & John Legend
“Old Town Road” – Lil Nas X feat. Billy Ray Cyrus
“Sicko Mode” – Travis Scott feat. Drake

Melhor música latina
“Secreto” – Anuel AA & Karol G
“Mia” – Bad Bunny feat. Drake
“I Can’t Get Enough” – benny blanco feat. Tainy, Selena Gomez & J Balvin
“Con Calma” – Daddy Yankee & Snow
“Mala Mía” – Maluma
“Con Altura” – Rosalía feat. J Balvin & El Guincho

Melhor k-pop
“Kill This Love” – BLACKPINK
“Boy With Luv” – BTS ft. Halsey
“Tempo” – EXO
“Who Do U Love” – Monsta X ft. French Montana
“Regular” – NCT 127
“Cat & Dog” – Tomorrow x Together

Melhor rock
“Love It If We Made It” – The 1975
“Bishops Knife Trick” – Fall Out Boy
“Natural” – Imagine Dragons
“Low” – Lenny Kravitz
“High Hopes” – Panic! At The Disco
“My Blood” – twenty one pilots

Melhor Dance
“Call You Mine” – The Chainsmokers & Bebe Rexha
“Solo” – Clean Bandit & Demi Lovato
“Say My Name” – David Guetta feat. Bebe Rexha & J Balvin
“Taki Taki” – Dj Snake feat. Selena Gomez, Ozuna & Cardi B
“Happier” – Marshmello & Bastille
“Electricity” – Silk City feat. Dua Lipa

Vídeo com mensagem
“Nightmare” – Halsey
“Ruynaway Train” – Jamie n Commons, Skylar Grey feat. Gallant
“Preach” – John Legend
“Land of the Free” – The Killers
“Earth” – Lil Dicky
“You Need to Calm Down” – Taylor Swift

Melhor Direção
Billie Eilish – “Bad Guy” – Directed by Dave Meyers
FKA twigs – “Cellophane” – Directed by Andrew Thomas Huang
Ariana Grande – “thank you, next” Directed by Hannah Lux Davis
Lil Nas X ft. Billy Ray Cyrus – “Old Town Road (Remix)” – Directed by Calmatic​
LSD ft. Labrinth, Sia, Diplo – “No New Friends” – Directed by Dano Cerny​
Taylor Swift – “You Need to Calm Down” – Directed by Drew Kirsch & Taylor Swift

Melhor Efeitos Visuais
Billie Eilish – “when the party’s over” – Visual Effects by Ryan Ross, Andres Jaramillo
FKA twigs – “Cellophane” – Visual Effects by Matt Chandler, Fabio Zaveti for Analog
Ariana Grande – “God is a Woman” – Visual Effects by Fabrice Lagayette, Kristina Prilukova & Rebecca Rice for Mathematic
DJ Khaled ft. SZA – “Just Us” – Visual Effects by Sergii Mashevskyi​
LSD ft. Labrinth, Sia, Diplo – “No New Friends” – Visual Effects by Ethan Chancer​
Taylor Swift ft. Brendon Urie of Panic! At The Disco – “ME!” – Visual Effects by Loris Paillier & Lucas Salton for BUF VFX​

Melhor Edição
Anderson .Paak ft. Kendrick Lamar – “Tints” – Editing by Elias Talbot
Lil Nas X ft. Billy Ray Cyrus – “Old Town Road (Remix)” – Editing by Calmatic​
Billie Eilish – “Bad Guy” – Editing by Billie Eilish
Ariana Grande – “7 Rings” – Editing by Hannah Lux Davis & Taylor Walsh
Solange – “Almeda” – Editing by Solange Knowles, Vinnie Hobbs, Jonathon Proctor
Taylor Swift – “You Need to Calm Down” – Editing by Jarrett Fijal​

Melhor Direção de Arte
BTS ft. Halsey – “Boy With Luv” – Art Direction by JinSil Park, BoNa Kim (MU:E)
Ariana Grande – “7 Rings” – Art Direction by John Richoux​
Lil Nas X ft. Billy Ray Cyrus – “Old Town Road (Remix)” – Art Direction by Itaru Dela Vegas
Shawn Mendes & Camila Cabello – “Señorita” – Art Direction by Tatiana Van Sauter​
Taylor Swift – “You Need to Calm Down” – Art Direction by Brittany Porter
Kanye West and Lil’ Pump ft. Adele Givens – “I Love It” – Art Direction by Tino Schaedler​

Melhor Coreografia
FKA twigs – “Cellophane” – Choreography by Kelly Yvonne
ROSALÍA & J Balvin ft. El Guincho – “Con Altura” – Choreography by Charm La’Donna​
LSD ft. Labrinth, Sia, Diplo – “No New Friends” – Choreography by Ryan Heffington​
Shawn Mendes & Camila Cabello – “Señorita” – Choreography by Calvit Hodge, Sara Biv
Solange – “Almeda” – Choreography by Maya Taylor, Solange Knowles
BTS ft. Halsey – “Boy With Luv” – Choreography by Rie Hata​

Melhor Cinematografia
Anderson .Paak ft. Kendrick Lamar – “Tints” – Cinematography by Elias Talbot
Billie Eilish – “hostage” – Cinematography by Pau Castejon
Ariana Grande – “thank you, next” – Cinematography by Christopher Probst​
Shawn Mendes & Camila Cabello – “Señorita” – Cinematography by Scott Cunningham
Solange – “Almeda” – Cinematography by Chayse Irvin, Ryan Marie Helfant, Justin Hamilton
Taylor Swift ft. Brendon Urie of Panic! At The Disco – “ME!” – Cinematography by Starr Whitesides

Ler mais

Beyoncé – The Lion King; The Gift; Beyoncé Brilha em Trilha Alternativa do Filme O Rei Leão

Beyoncé é uma força da natureza, ponto. Talvez essa
afirmação seja a mais correta quando se analisa qualquer trabalho da texana de
2010 para cá. Vindo de êxitos e sucessos de crítica em seus 4 últimos discos de
inéditas e sua recente coletânea gravada ao vivo, a Sra. Carter entrega mais um
álbum no capricho; The Lion King; The Gift.

O disco é uma trilha sonora a parte do filme O Rei Leão de
2019, com canções inéditas, buscando um releitura do filme blockbuster da
Disney.

O The Gift é intercalado entre interlúdios que se conectam
diretamente ao filme e as faixas propriamente ditas que somam 14 e dessas 4 não
tem os vocais de Beyoncé.

A poderosa BIGGER traz os belos vocais da americana acompanhada
de uma bela percussão e violinos majestosos, já inserindo o ouvinte numa
atmosfera épica de magia e ancestralidade.

FIND YOUR WAY BACK tem momentos interessantes, como os
cantos tribais com distorções, mas o clima de música lounge cosmopolitana do início
dos anos 90 deixa a desejar, vista a grandeza da faixa anterior.

Tekno, Yemi Alade, Mr Eazi e Lord Afrixana dão segmento aos
trabalhos na também mediana DON’T JEALOUS ME, alguns detalhes na produção como
as evocações místicas de Yemi Alade melhoram um pouco o sabor.

Mais determinada que as faixas anteriores JA ARA E de Burna Boy,
se desenvolve de forma deliciosa nos ouvidos e entrega uma excelente
experiencia sensorial, ouça com fones potentes e no volume máximo, faça se esse
favor.

Beyoncé retorna ao trabalho e traz consigo Kendrick Lamar
para a curta NILE. Funcionando também como uma espécie de interlúdio a faixa não
decola, talvez com mais tempo poderíamos descobrir como se sairiam os dois
maiores artistas do Rap e do R&B colaborando juntos, uma pena.

JAY Z e Childish Gambino colaboram com a artista em MOOD 4 EVA
e aqui tire os sapatos, solte o cabelo e se jogue, que o momento de dançar e
sentir o feeling myself é agora. A faixa conta ainda com inserções de Ms.
Jackson do OutKast e Mo’ Money Mo’ Problems do The Notorious Big. Não tinha
como ficar ruim não é mesmo?

Alguém precisa parar Pharrel Williams urgentemente, WATER
com o cujo e Salatiel é mais um exemplo de que as coisas que ele tem tocado
ultimamente tem beirado a pieguice e o mal gosto. Nada nessa faixa funciona,
exceto claro Beyoncé, parabéns guerreira.

Incorporando o sample de Celestial Chile do artista de música
eletrônica Jeremy Sunshine, BROWN SKIN GIRL tem ainda a participação de SAINt JHN
e WizKid e claro a superstar Blue Ivy Carter, filha de Beyoncé e JAY Z, caso você
estivesse em marte nos últimos 10 anos. Dito isso e com um título desses, um
arrebatamento era o mínimo esperado e vamos continuar esperando…

Com produção assinada por Yoncé, KEYS TO THE KINGDOM de Tiwa
Savage e Mr. Eazi é um farto oásis ante a uma trilha de mediocridade apreciadas
nas duas últimas faixas completas. Bom ver as coisas se encaminhando para o
lado certo novamente juntamente com a boa ALREADY parceria de Beyoncé com Major
Lazer e Shatta Wale.

Sozinha em OTHERSIDE como em BIGGER, a americana brilha em
uma belíssima balada para ouvir de olhos fechados e coração aberto, com direito
até de trechos em dialetos africanos, um primor.

Se você gostou da trilha de Kendrick Lamar para o The Black Panther, MY POWER é para você! O refrão cantado por Nija, fica na cabeça por um bom tempo e cantar junto não é opcional.

Mais tocada no experimentalismo e com elementos dramáticos,
SCAR de 070 Shake e Jessie Reyez entrega um bom trabalho sensorial e prepara o
ouvinte para o desfecho monumental na faixa seguinte.

Pois chegamos ao fim com SPIRIT, servindo como um ponto de
remate de toda a obra, justamente destoa de tudo o que foi ouvido até aqui e
somente aqui temos aquela fórmula de balada da Disney ao qual estamos
acostumados. É bonita, bem-feita, emocionante mas repetida por tantas e tantas
vezes que se aproxima do brega. O conteúdo lírico também não traz nada de dinâmico
ao que já conhecemos, o que se salva claro são os vocais poderosos de Beyoncé,
inegavelmente.

The Lion King; The Gift, não parece ser um trabalho ousado o suficiente, nem no entanto clássico. Fica ali no meio do caminho, tomando passos bem dados em alguns momentos e em outros se deixando levar por fórmulas já saturadas. Falta a escolha de uma identidade, o abraçar completo do que se pretende ser, como a trilha de The Black Panther fez ao misturar símbolos sonoros do continente africano, principalmente subsaariano, com o de mais moderno estava se fazendo na música negra ocidental. The Gift parece ir por esse caminho em alguns momentos, porem recua no seguinte e na falta de direção fica no mediano, uma pena.

Nota 7,0 / 10

Para ouvir;

BIGGER

JA ARA E by Burna Boy

MOOD 4 EVA feat. JAY Z and Childish Gambino

KEYS TO THE KINGDOM by Tiwa Savage

OTHERSIDE

MY POWER by Tierra Whack, Beyoncé and Moonchild Sanelly feat. Nija

SCAR by 070 Shake and Jessie Reyez

Ler mais

O Escolhido é renovado para a 2ª temporada

A série nacional O Escolhido foi renovada pela Netflix Brasil para uma segunda temporada.

Os atores Paloma Bernardi, Renan Tenca, Gutto Szuster, Pedro Caetano, Alli Willow, Tuna Dwek, Lourinelson Vladmir, Francisco Gaspar, Kiko Vianello, Aury Porto e Mariano Mattos Martins, retornam para o segundo ano.

Já a atriz Giselle Itié será a novidade no elenco nos próximos episódios.

A  2ª temporada terá 6 episódios de 45 minutos cada e está previsto para estrear em novembro.

Ler mais

Com JLO e Cardi B, ‘As Golpistas’ ganha primeiro trailer

Com Jennifer Lopez, Constance Wu, Cardi B, Lili Reinhart, Keke Palmer, Julia Stiles, Madeline Brewer e Lizzo, “As Golpistas” (Hustlers) conta a história de um grupo de strippers que se unem para aplicar golpes nos seus clientes de Wall Street. Estreia no Brasil em dezembro deste ano, com distribuição da Diamond Films.

“As Golpistas” conta a história de Ramona (Lopez), Destiny (Wu) e outras strippers de Nova York que, cansadas dos abusos do trabalho, decidem virar o jogo e armam um plano para tirar vantagem dos seus clientes mais ricos. Quando o esquema começa a dar certo, elas embarcam em uma onda de extravagância e glamour. Mas logo a ambição toma conta do grupo e ameaça as amizades, ao mesmo tempo em que a lei coloca o plano em risco.

Com produção de Adam McKay e Jennifer Lopez, o filme foi escrito e dirigido por Lorene Scafaria. A trama é inspirada no artigo “The Hustlers at Scores”, de Jessica Pressler, publicado na New York Magazine.

Ler mais

Madonna – Madame X; Entre Fados e Parcerias Dignas e Duvidosas Madonna Entrega Seu Melhor Disco Nessa Década.

Residindo já há alguns anos na improvável Portugal, Madonna
tem se habituado a quietude das comunidades quintanescas da terrinha. Bebendo
do melhor vinho do Porto, se deliciando com a culinária local e acima de tudo;
Absorvendo a riqueza cultural da península ibérica.

Portugal é um país que construiu sua identidade em parte com
a interação com outros povos, sendo outrora uma região de passagem entre o
desconhecido, representado pelo oceano atlântico e a civilização mediterrânea
européia e o norte da África já sob influência islâmica. Essa colcha de
retalhos deu origem a uma cultura multifacetada e única no contexto do velho
mundo.

Dito isso, é sabido que uma das melhores qualidades de
Madonna é justamente condensar uma ideia em torno de um conceito e entregar um
trabalho pop que exala sua idealizadora independente do trend escolhido. Como
vendedora de conceitos a americana é imbatível. O que tem faltado em seus
últimos trabalhos é justamente uma visão mais apurada e direcionada do material
a ser trabalhado e principalmente se antecipar às tendências. Madonna tem chego
tarde às festas, entregando músicas com produções já saturadas e datadas desde
Hard Candy de 2008.

Dentro desse cenário Madame X de 2019 aponta para uma
direção interessante, não sendo imaculado de erros, existem muitos, mas
recuperando os bons olhos e acima de tudo ouvidos de Madge acerca do seu papel
de ícone inspirador de um segmento musical que se entrelaça a sua carreira e
vida como um instrumento de massa único.

Começando pelos erros, as participações de Maluma no trabalho, incluindo o carro chefe Medellin, são definitivamente desnecessárias. O colombiano canta em todas as vezes em que aparece, com a empolgação de um poste, soando entediado e monotônico. Conseguimos entender a intenção de uma artista que sempre reverenciou a cultura latina, principalmente de ascendência hispânica em seus trabalhos, em chamar um dos artistas de maior sucesso na atualidade nesse nicho para o disco. Mas se fosse a Madonna esperta e aguçada de outros tempos, o nome a ser adicionado as parcerias seria o da catalã Rosalía, além de um frescor à discografia de Madge, seria uma tacada de mestra. Uma Pena.

Outro ponto negativo do trabalho é a disposição
esquizofrênica das faixas, um disco duplo dividindo os atos seria extremamente bem-vindo
trazendo coerência a obra e deixando tudo mais fluido. Dessa forma podemos analisar
duas facetas do trabalho; a político social e a descontraída.

A face política e social do disco é como o esperado;
desconfortável, visceral em alguns pontos, forte e de muita coragem, em um
mundo contemporâneo cada vez mais polarizado. O incomodo aqui vem justamente
das mensagens que podem melindrar os mais desatentos, para os fãs é o momento
de glória da obra.

Nesse segmento temos o costumaz apelo feminista de Madonna e
sua mensagem pela igualdade de gêneros além da luta pela classe LGBT+. É
passada também uma pincelada sobre o racismo e xenofobia, sem, no entanto, a
artista tomar qualquer protagonismo e soar a branca salvadora dos oprimidos.

Killers Who Are Partying, composta em uma espécie de
fado contemporâneo em lamentos, tem uma mensagem direta sobre realidade e
empatia.  A letra predominantemente em
inglês e com trechos do refrão em português, é uma reflexão da sociedade
anacrônica contemporânea.

Batuka possui, como o nome sugere, um poderoso
trabalho de percussão, além de cantos que ecoam uma atmosfera tribal. Apenas o
autotune pesa um pouco.

Trabalhando com Madonna nos discos Music (2000), American
Life (2003) e Confessions on a Dance Floor (2005), o francês Mirwais Ahmadzaï,
assina a co composição das faixas Dark Ballet, God Control, Batuka, Killers
Who Are Partying e I Don’t Search I Find
. E fica evidente os flashs que referenciam
os trabalhos do compositor em outras obras dele na discografia da Material Girl.

Dark Ballet é um pop barroco desconcertante e definitivamente
ousado, não significante, no entanto que o passo tenha valido a pena, sobra
barroco, falta pop…

O debate sobre o controle de posse e porte de armas de fogo
tem sido acalorado ao redor do globo, sendo uma das principais pautas de
segurança pública no século XXI até então. E nesse contexto, os constantes
tiroteios em escolas, locais públicos e até em casas noturnas, como a Pulse,
balada LGBT palco de um atentado em 2016 na cidade de Orlando na Florida, são
tratados de forma direta e sem eufemismos em God Control.

Cantada em seus primeiros versos por trás dos dentes, a faixa flerta com a música gospel e desemboca numa Disco contemporânea deliciosa, evocando as investidas da rainha do pop nesse segmento como em Deeper and Deeper do Erotica (1992). É o melhor single de Madonna desde Hung Up. God Control seria um carro chefe muito mais coerente que Medellin. #choices

Crave balada em estilo emo trap, parceria com o queridinho do momento Swae Lee, também é um ponto alto no disco, juntamente com outra parceria, Future com Quavo, em ambas Madonna desfila confortável, nada comparado as parcerias sofridas dessa década nos albums MDNA (2012) e Rebel Heart (2015), salvo exceções.

Ainda no que tange parcerias, Anitta participa da inspirada Faz
Gostoso
, com uma pegada de funk brasileiro e cantada principalmente em português
do Brasil, auge da credibilidade cultural e o potencial que nossos artistas têm
em produzir conteúdo a nível global no que tange produção musical. Mesmo a
faixa original ter sido composta por lusitanos, a influência do pop brasileiro contemporâneo
é inegável.

Madame X emerge como um trabalho que pode não agradar a
todos, mas definitivamente vai fazer você sentir alguma coisa, nem que seja
repulsa. Dentro do atual contexto musical tão carente de algo realmente inovador
em se tratando de pop, talvez traga alguns momentos inspiradores. Dentro do
contexto de Madonna nessa década, é um virar de página e um convite a sua
idealizadora em olhar mais para si mesma e encontrar o fogo criativo que jamais
deveria ser subestimado.

Nota 8,5 / 10

Para Ouvir;

God Control

Future feat Quavo

Batuka

Crave feat. Swae Lee

Crazy

Faz Gostoso feat Anitta

I Don’t Search I Find

I Rise

Ler mais

Chernobyl, GoT e muito mais | Conheça os indicados ao Emmy Awards 2019

Considerada a maior premiação da televisão norte americana, o Emmy Awards teve a sua lista de indicados divulgada nesta terça (16). A cerimônia, ainda sem um apresentador, está marcada para o dia 22 de setembro.

Game of Thrones lidera na disputa, que tem como destaques Chernobyl, The Marvelous Mrs. Maisel e Olhos que Condenam. Confira:

Melhor série de drama

Better call Saul (AMC)

Bodyguard (Netflix)

Game of thrones (HBO)

Killing Eve (AMC/BBC America)

Ozark (Netflix)

Pose (FX)

Succession (HBO)

This is us (NBC)

Melhor atriz de drama

Emilia Clarke (Game of thrones)

Jodie Comer (Killing Eve)

Viola Davis (How to get away with murder)

Laura Linney (Ozark)

Mandy Moore (This is us)

Sandra Oh (Killing Eve)

Robin Wright (House of cards)

Melhor ator de drama

Jason Bateman (Ozark)

Sterling K. Brown (This is us)

Kit Harington (Game of thrones)

Bob Odenkirk (Better call Saul)

Billy Porter (Pose)

Milo Ventimiglia (This is us)

Melhor ator coadjuvante de drama

Jonathan Banks (Better call Saul)

Giancarlo Esposito (Better call Saul)

Alfie Allen (Game of thrones)

Nikolaj Coster-Waldau (Game of thrones)

Peter Dinklage (Game of thrones)

Michael Kelly (House of cards)

Chris Sullivan (This is us)

Melhor atriz coadjuvante de drama

Gwendoline Christie (Game of thrones)

Lena Headey (Game of thrones)

Sophie Turner (Game of thrones)

Maisie Williams (Game of thrones)

Fiona Shaw (Killing Eve)

Julia Garner (Ozark)

Melhor ator convidado de drama

Michael McKean (Better call Saul)

Bradley Whitford (The handmaid’s tale)

Glynn Turman (How to get away with murder)

Ron Cephas Jones (This is us)

Michael Angarano (This is us)

Kumail Nanjiani (The twilight zone)

Melhor atriz convidada de drama

Jessica Lange (American horror story: Apocalypse)

Carice van Houten (Game of thrones)

Cherry Jones (The handmaid’s tale)

Cicely Tyson (How to get away with murder)

Laverne Cox (Orange is the new black)

Phylicia Rashad (This is us)

Melhor série limitada ou minissérie

Chernobyl (HBO)

Escape at Dannemora (Showtime)

Fosse/Verdon (FX)

Objetos cortantes (HBO)

Olhos que condenam (Netflix)

Melhor ator de série limitada ou minissérie

Mahershala Ali (True detective)

Benicio Del Toro (Escape at Dannemora)

Hugh Grant (A very english scandal)

Jared Harris (Chernobyl)

Jharrel Jerome (Olhos que condenam)

Sam Rockwell (Fosse/Verdon)

Melhor atriz de série limitada ou minissérie

Amy Adams (Objetos cortantes)

Patricia Arquette (Escape at Dannemora)

Aunjanue Ellis (Olhos que condenam)

Joey King (The act)

Niecy Nash (Olhos que condenam)

Melhor ator coadjuvante de série limitada ou
minissérie

Stellan Skarsgård (Chernobyl)

Paul Dano (Escape At Dannemora)

Ben Whishaw (A very english scandal)

Asante Blackk (Olhos que condenam)

John Leguizamo (Olhos que condenam)

Michael K. Williams (Olhos que condenam)

Melhor atriz coadjuvante de série limitada ou
minissérie

Pat ricia Arquette (The act)

Margaret Qualley (Fosse/Verdon)

Patricia Clarkson (Objetos cortantes)

Marsha Stephanie Blake (Olhos que condenam)

Vera Farmiga (Olhos que condenam)

Melhor comédia

Barry (HBO)

Fleabag (Amazon Prime)

The good place (NBC)

The marvelous Mrs. Maisel (Amazon Prime)

Boneca russa (Netflix)

Schitt’s Creek

Veep (HBO)

Melhor ator de comédia

Anthony Anderson (Black-ish)

Don Cheadle (Black monday)

Ted Danson (The good place)

Michael Douglas (O método Kominsky)

Bill Hader (Barry)

Eugene Levy (Schitt’s creek)

Melhor atriz de comédia

Christina Applegate (Disque amiga para matar)

Rachel Brosnahan (The marvelous Mrs. Maisel)

Julia Louis-Dreyfus (Veep)

Natasha Lyonne (Boneca russa)

Catherine O’Hara (Schitt’s Creek)

Phoebe Waller-Bridge (Fleabag

Melhor atriz coadjuvante de comédia

Sarah Goldberg (Barry)

Sian Clifford (Fleabag)

Olivia Colman (Fleabag)

Betty Gilpin (Glow)

Alex Borstein (The marvelous Mrs. Maisel)

Marin Hinkle (The marvelous Mrs. Maisel)

Kate McKinnon (Satuday night live)

Anna Chlumsky (Veep)

Melhor ator coadjuvante de comédia

Anthony Carrigan (Barry)

Stephen Root (Barry)

Henry Winkler (Barry)

Alan Arkin (O método Kominsky)

Tony Shalhoub (The marvelous Mrs. Maisel)

Tony Hale (Veep)

Melhor ator convidado em comédia

Luke Kirby (The marvelous Mrs. Maisel)

Rufus Sewell (The marvelous Mrs. Maisel)

John Mulaney (Satuday night live)

Matt Damon (Satuday night live)

Robert De Niro (Satuday night live)

Peter MacNicol (Veep)

Melhor atriz convidada de comédia

Fiona Shaw (Fleabag)

Kristin Scott Thomas (Fleabag)

Maya Rudolph (The good place)

Jane Lynch (The marvelous Mrs. Maisel)

Emma Thompson (Saturday night live)

Sandra Oh (Saturday night live)

Melhor telefilme

Black Mirror

Bandersnatch

Brexit

Deadwood

KingLear

My Dinner With Herve

Melhor reality de competição

The amazing race (CBS)

American ninja warrior (NBC)

Nailed It (Netflix)

RuPaul’s drag race (VH1)

Top chef (Bravo)

The voice (NBC)

Melhor talk-show

The daily show with Trevor Noah (Comedy Central)

Full frontal with Samantha Bee (TBS)

Jimmy Kimmel live (ABC)

Last week tonight with John Oliver (HBO)

Late late show with James Corden (CBS)

Late show with Stephen Colbert (CBS)

Ler mais

Avril Lavigne – Head Above Water; Com o Coração Submerso em Águas Negras, Avril nos Mostra seu Mundo Pós Lyme

Avril Ramona Lavigne foi sem dúvidas um dos rostos mais
emblemáticos a surgirem no longínquo ano de 2002. Arrastando milhões de fãs ao
redor do mundo, a até então anti Britney, vendia e colecionava records tanto
quanto sua ‘’antagonista’’.

Os anos se passaram, as rixas midiáticas ficaram para trás,
assim como o frescor efêmero da indústria, que alça popstars ao topo a cada
segundo, enquanto outros são levados ao quarto escuro do ostracismo com a mesma
velocidade. Entre teorias de conspiraçõa e trabalhos cada vez mais medianos,
com Head Above Water, como o título já entrega, Avril tenta apenas
sobreviver.

Sem o frescor de Let Go! de 2002 ou a profundidade de
Under My Skin
de 2004, a artista de 2019 tenta processar em seu trabalho os
anos difíceis que atravessou enfrentando a doença de Lyme, que quase ceifou a
sua vida. Nesse cenário caótico Avril Lavigne tem muito a dizer sobre si mesma,
sobrevivência e liberdade. A contenção, no entanto, e a insistência de ficar na
superfície nos deixa no mínimo desapontados.

A faixa título abre o disco já mandando a real sobre os
momentos mais escuros enfrentados por Lavigne até então, em forma de prece a
canção pode figurar facilmente entre as mais sinceras e honestas de sua
carreira. Numa pegada marcante flertando mais com as grandes baladas hard rock
do que com o pop punk.

Birdie nos brinda com um vislumbre da capacidade de
compositora da canadense. Metafórica, calculada e bem arranjada, é de longe a
melhor faixa do disco, as batidas melancólicas aliada ao um canto frágil, mas
determinado, dão dramaticidade a peça.

Em I Fell in Love With The Devil o bom ritmo de
faixas continua, com uma letra aqui um pouco mais óbvia, porem que se relaciona
bem com o que foi apresentado até então, uma Avril ciente de seu passado e sem
medo de pôr às claras as águas passadas.

Muito se tenta emular o estilo charmoso da velha Motown,
gravadora icônica de R&B do século XX, sem, no entanto, chegar próximo ao
impacto daquele estilo. Tem se alguns êxitos pontuais, mas nada que se possa
por como regra. Em Tell Me its Over a canadense tenta, acerta as notas,
mas falta o swing característico. Vale ponto pela ousadia.

Falando em ousadia, Dumb Blonde é uma prova de coragem
para qualquer artista que se submeta a produzir e pior, mostrar para alguém trabalho
tão parco, para dizer o mínimo.

A faixa não faz nada de bom pela narrativa belamente construída
até aqui. Como ponto de ruptura com um parceiro algoz e autoafirmação, a faixa
peca em falta de raiva e força. Energia há de sobra, mas muito mal direcionada.
Nicki Minaj some em meio a produção e o que poderia ser um trabalho
interessante se torna apenas irritante.

Voltando um pouco o disco par os trilhos It Was in Me,
retoma a boa narrativa iniciada e quebrada pela audição do inferno apresentada
em Dumb Blond. It Was In Me funciona como um amadurecimento natural as questões
levantadas em How Does It Feel? do disco Under My Skin de 2004.

Souvenir e Crush tiram um pouco o foco auto analítico
e tangem mais o interesse em um parceiro amoroso, boas faixas para um sábado a
tarde de sol tocando em alguma loja de departamentos, nada mais.

O disco segue pelas próximas faixas alterando entre o medíocre,
o aceitável e o dispensável. Até chegar em sua finalização com Warrior.
A faixa é uma balada que complementa a ideia da primeira música do álbum. Mas
aqui Avril não pede por proteção divina, ela se levanta e ela mesma vai enfrentar
o dragão metafórico que representa a doença de Lyme. Um fechamento decente para
um disco que alterna do bom para o ruim com muita facilidade.

Avril segue por caminhos duvidosos em Head Above Water,
entre escolha da capa do disco e algumas faixas dispensáveis, ela apresenta um
pouco o inferno que sofreu durante os anos reclusa lambendo suas feridas, aqui
literais, sem saber se haveria um novo amanhecer.

Nesse caso o sol surgiu no horizonte e Avril nos manteve apenas
na superfície, não nos contando exatamente o que vive nas águas profundas de sua
dor. Talvez tenha sido intencional o desbaratinamento do publico quanto a essas
questões ou talvez tenha sido isso mesmo. Eu quero acreditar que há um monstro do
lago escondido no fundo desse lago e que ela o tenha feito como amigo e os artifícios
lançados mão sejam para nos distrair e proteger esse monstro até que ela mesma possa
entendê-lo bem.

Nota 6,5/10

Para Ouvir;

Head Above Water

Birdie

I Fell In Love With The Devil

It Was In Me

Warrior

Ler mais

Homem Aranha – Longe de Casa; O Cabeça de Teia dá o Ponta Pé Inicial na Nova Saga Pós Infinito.

Dando segmento aos acontecimentos pós Vingadores; Ultimato, Homem Aranha, Longe de Casa, nos entrega a visão do mundo dos humanos após aos eventos catastróficos desencadeados pelo estalo de dedos de Thanos. Como está a sociedade após a ida e a volta dos que foram desintegrados? O que aconteceu com a iniciativa Avengers? Os impactos da guerra na vida terrena? Todas essas perguntas em parte são respondidas no longa, de forma até mesmo didática demais as vezes, porem devido a classificação indicativa podemos dar uma colher de chá.

Tom Holland vive mais uma vez o herói que dessa vez enfrenta
uma serie de vilões por cidades da europa enquanto está de excursão com um
grupo da escola. Encabeçando a lista de inimigos está Mysterio, interpretado
por Jake Gyllenhaal, grande antagonista da mitologia do aranha nos quadrinhos,
posto em tela grande pela primeira vez.

O filme tem tudo o que um filme de aventura protagonizado
por adolescentes poderia ter, muito bom humor, aventura e claro romance. As
cenas de ação são bem decentes e apropriadas para o teor juvenil do longa.

O que incomoda nessa nova leva de filmes do Homem Aranha, é a dependência excessiva de artifícios tecnológicos, um dos grandes diferenciais do herói originalmente era justamente a capacidade de trabalhar com improvisação, uso da inteligência e a capacidade que ele tinha de utilizar muito bem os recursos que lhe cabiam. A dependência de apetrechos, a lá Três Espiãs Demais, desenho da Marathon, empobrecem o brilhantismo do personagem e deixam no condicionado forçadamente a figura de Tony Stark, como se sem esse, o herói não conseguiria amadurecer e crescer como personagem. E o mais grave, é a ausência de questionamentos filosóficos acerca do seu próprio poder, “com grandes poderes vem grandes responsabilidades’’, frase imortal do tio Ben, que nessa nova leva além de não ter sido mencionada, seu contexto não tem sido levado sequer em conta, tornando um dos maiores representantes do panteão da Marvel um herói quase genérico.

Homem Aranha, Longe de Casa emociona, nos dá uma direção acerca
dos rumos a serem tomados e acima de tudo DIVERTE.

Homem Aranha, Longe de Casa (2019)

Direção; Jon Watts

Com; Tom Holland, Jake Gyllenhaal, Marisa Tomei, Zendaya e
Samuel L. Jackson.

Sony Pictures (2019)

Ler mais
%d blogueiros gostam disto: