Jack White – Boarding House Reach; Viajando Desperto Pelo Mundo dos Sonhos

Boarding House Reach seria um delírio causado por um sonho ou um sonho causado por um delírio lisérgico?

A sentimental e nostálgica nova obra de Jack White, concilia deslumbre sentimentais, psicodélicos com uma atmosfera enevoada do mundo noturno dos sonhos.

Quase como as místicas viagens astrais Jack nos conduz por tuneis e fendas profundas, numa viagem nem furiosa nem de tanto contemplativa. Como passageiros num carro aberto voando pelo espaço imaginário, onde os objetos que ali pairam são altamente interativos e de fundo um toque de melancolia e tristezas ululantes.

Impossível não ver The Doors, David Bowie, The Who entre outros monstros nessa obra de universo fantástico.

Destrinchando a obra de todo o torpor encontramos um homem de coração partido que flerta com a depressão.

O disco abre com a sensível Connected By Love, onde o musico já nos primeiros versos entrega que está sofrendo pela mulher amada e pede a ela amparo.

O título de Ice Station Zebra é baseado num romance de espionagem sobre a guerra fria, escrito em 1963 uma das melhores faixas da vida de Jack, definitivamente.

Over and Over segue em seguida sem perder a energia da faixa anterior com a guitarra rouca característica do musico, casando com vocais harmônicos ao melhor estilo Supremes, que viagem.

A sensível Get In The Mind Shaft é a síntese da jornada até aqui, é para apagar as luzes, reclinar a poltrona, por bons fones e se deixar levar se atentando as texturas e formas da produção.

What’s Done Is Done nos encaminha para a finalização do disco, como que nos afofando na cama antes do desfecho glorioso que se dá na faixa final do disco, Humoresque, escrita por pasmem, Al Capone(!), o gangster, aqui deixando de lado as cordas e trazendo um piano sentimental e uma tímida percussão.

Boarding House Reach é sem dúvidas o trabalho mais experimental de Jack White em carreira solo até aqui, enquanto Lazaretto de 2014 flertava muito com o country, aqui temos um trabalho psicodélico que grita o final dos anos 60 e os anos 70, mas com os músculos cibernéticos do século XXI. Foi a forma que Jack escolheu para chorar suas dores e exorcizar seus demônios.

 

Nota 10/10

Para Ouvir;

Connected By Love

Walk A Dog

Ice Station Zebra

Over and Over

Get In The Mind Shaft

Humoresque

 

 

Allison Gui

Jornalista de coração, apaixonado pelo áudio visual e há três décadas deslumbrando o maravilhoso mundo da cultura pop e apaixonado pela arte dos sons AKA música! Cher é minha pastora, mesmo que eu ande pelo vale da sombra do Flop, a música não me faltará.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: