RESENHA; Camila Cabello – Camila 

https://www.pastilhadrops.com.br/2018/01/12/resenha-camila-cabello-camila-decola-mas-nao-aterrissa/

Eis que a filha prodiga do Fifthy Harmony, Camila Cabello, finalmente lançou seu trabalho de estreia, intitulado Camila. A obra começa promissora com o hit Never Be The Same, já conhecido do público desde o final de 2017.

O disco segue com All These Years que fala do reencontro com um amor do passado. She Loves Control é mais dançante que as anteriores, trazendo o conceito urban tropical do Álbum. A letra fala de uma mulher mandona que adora estar no controle, seria uma auto analise ou sobre alguma harmony girl?

A quarta faixa é o mega hit Havana, música que fez a moça redefinir todo o disco, que deveria se chamar inicialmente The Hurting, The Healing, The Loving, com Crying In The Club sendo seu lead single, porém com o fracasso comercial da faixa, o projeto voltou para a fase de planejamento.

Inside Out é mais uma faixa puxada para as raízes cubanas da cantora, porém totalmente esquecível, e assim o disco segue pelas próximas faixas um tanto insosso, dando um breve respiro no final de Somethings Gotta Give.

A nona faixa In The Dark recupera um pouco o ritmo para o registro fechar na boa Into It, porém ao final fica a sensação que fomos direcionados a algum lugar ao qual nunca chegamos definitivamente.

O disco não apresenta nada de muito diferente do que se tem feito nos últimos anos, com o mix de sintetizadores, batidas e muito tropical urban. Crying In The Club poderia tranquilamente ser introduzida no disco mesmo como uma faixa bônus como forma de agradar os fãs e aparar as arestas.

Camila se mostra eficaz em apresentar a interprete ao mundo da música oficialmente, mesmo com uma dezena de compositores além da própria, a identidade fica bem clara e é definitivamente capaz de aguçar nossa curiosidade sobre o que ela pode trazer no futuro, vamos ficar de olho.

Para Ouvir;

Never Be The Same

She Loves Control

Havana

In The Dark

Into It

 

Nota 7/10

Allison Gui

Jornalista de coração, apaixonado pelo áudio visual e há três décadas deslumbrando o maravilhoso mundo da cultura pop e apaixonado pela arte dos sons AKA música! Cher é minha pastora, mesmo que eu ande pelo vale da sombra do Flop, a música não me faltará.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: